quarta-feira, 22 de junho de 2022

INVOCAÇÃO A DEUS

Gostaria de começar essa invocação a Deus comentando uma pequena parte do livro  “O Jardim Secreto”, da escritora  Frances Hodgson Burnett: "Em cada século, desde o começo do mundo, coisas maravilhosas foram descobertas. No último século, mais coisas maravilhosas foram descobertas do que em qualquer outro antes. Nesse novo século, centenas de coisas ainda mais impressionantes serão trazidas à luz. No começo, as pessoas se recusavam a acreditar que algo novo podia ser feito, depois começaram a ter esperança de que isso fosse possível, depois viram que podia ser feito - então foi feito, e o mundo todo se pergunta por que não foi feito séculos atrás. Uma das coisas novas que as pessoas começaram a descobrir no século anterior foi que pensamentos - somente pensamentos - são tão poderosos quanto baterias elétricas; podem ser tão bons para um indivíduo quanto a luz do sol.”. 

Bom, o que mais gosto nesta passagem é a ideia de que precisamos de pensamentos bons, então peço a Deus, hoje, que ilumine, não apenas nosso caminho, mas também, e principalmente, nossos pensamentos, que esteja sempre conosco, como já estivera em tantos outros momentos e que possamos fazer com que mais coisas boas aconteçam ao longo deste ano, que assim seja. 

 

CLEO Mirela Dutra Lima Herold

LEO Clube Igrejinha 

Distrito LEO LD-2   


quinta-feira, 2 de junho de 2022

TODA AÇÃO IMPORTA!

 TODA AÇÃO IMPORTA! 

Vivemos tempos sombrios no Brasil e isso me causa certa dificuldade para escrever esta instrução leoística. Enquanto me debatia refletindo sobre tudo que temos vivido e também sobre a importância de tudo que fizemos enquanto movimento voluntário, lembrei de uma frase que estampa uma camiseta que ganhei. Nela está escrito “Seja você a mudança que quer no mundo”. De fato as pequenas ações tratam da decisão de sermos a mudança que queremos para o mundo. Muito embora as pequenas ações não tenham influência de resolver as mazelas da raça humana ou acabar com a fome no mundo, algo que me parece um dos piores absurdos da nossa existência, toda ação pode representar alívio para quem é beneficiado. A distribuição de cestas básicas, por exemplo, pode representar alguns dias de uma refeição digna para aquele que recebe a doação e se isso de fato ocorrer, estaremos conseguindo melhorar o mundo de alguém naquele período da sua existência. Outra ação que pode parecer pequena para muitos, mas tem um impacto enorme para a vida de outras pessoas, é a doação de sangue. Para um doador, aquela bolsa de sangue contendo em média 450 ml, em nada compromete seu estado de saúde, mas para o receptor o sangue recebido pode representar a chance de continuar a viver. A chance de ver novamente a luz do sol ou então poder abraçar as pessoas que ama. Pensar as pequenas ações por essa ótica, nos mostra o quanto uma ação pode ser transformadora para aquele que recebe a doação. Para você que está agora ouvindo essa instrução em alguma reunião do movimento leoístico, que ocorre em algum canto desse Brasil, eu digo que definitivamente NÃO, nós não temos o poder de mudar o mundo ou as pessoas, para assim vivermos todos com maior dignidade, paz e prosperidade. No entanto, lhes digo que SIM, nós podemos ser alívio para alguém que sofre de fome, frio ou então para aquele que aguarda por um doador de sangue, que ajude a salvar sua vida. Você e eu podemos mudar por algum instante o mundo de alguém. Para isso, comece dando um “bom dia” para seu colega, um “eu te amo” para quem você ama, ou então dizendo “obrigado” para quem lhe oferece a mão. Isso pode parecer pequeno para você, mas transformador para o outro. Não esqueça que por mais pequena que possa parecer, TODA AÇÃO IMPORTA. 


C.LEO Claudiana Pereira 

Leo CLube Nova Hartz 

29 de abril de 2022

quarta-feira, 1 de junho de 2022

Sobre Motivos

 Sobre Motivos 

Se você procurar no dicionário a palavra “Voluntário” vai achar o significado: que se pode optar por fazer ou não - e - que não é forçado, que só depende da vontade; espontâneo. Ou seja, voluntário é aquele que faz algo por vontade própria, não querendo nada para fazê-lo. Eu entrei no LEO como voluntária, para fazer trabalho voluntário, mas hoje não posso alegar que estou no movimento do mesmo modo que entrei, sem querer nada em troca. Não consigo me aquietar se não tiver campanha, não sossego até participar de um evento, não vejo a hora para ter uma reunião, passar um dia sem conversar com um companheiro é quase inaceitável. Hoje espero de volta do movimento a quietude dos barulhos das palmas, da paz das discussões sobre as regras de um jogo na Leopíadas, sobre o suave som das escandalosas gargalhadas inoportunas das reuniões... O LEO é parte de quem eu sou, e quero ser, é parte da minha rotina, parte da minha vida. O que me motiva hoje no LEO é ver essa engrenagem que girando colocou meu mundo de ponta cabeça, do jeito mais positivo possível, continuar girando e girando. O motivo que me fez participar do LEO foi nobre, ajudar o próximo sem precisar de nada em retorno, me doar a quem precisa, estender a mão pra quem precisar de uma, mas o motivo que me fez e faz permanecer no movimento não pode ser menos egoísta. A vontade de me doar não mudou, mas com certeza o pensamento não ter o que eu ganho participando do LEO de volta me apavora. Pensar perder essa família, essa vida toda que construí no movimento é o que me segura a ele. Algo que veio sem eu pedir, mas que eu não sabia que precisava e que agora sei não poder viver sem. 


C.LEO Kátia Klock Anton 

LEO Clube Dois Irmãos 

Distrito LEO LD-2

A Grandeza da Semente

 A Grandeza da Semente 

Esse poderia ser mais um discurso onde mostro minha própria hipocrisia, gritando para todos como é fácil viver, apreciar tudo que nos acontece e não agir como uma pessoa amargurada. Acho que é de melhor proveito para todos eu não fazer isso. Atualmente estou assistindo uma série que se chama “For Life - Lutando Por Justiça”, na Netflix. Nela, um homem é preso injustamente, acusado de ser um kingpin, isto é, um chefão das drogas. Imaginar o que acontece a ele na cadeia não é tão difícil. Podemos imaginar baseados no que já conhecemos do universo hollywoodiano. Toda essa dor, esse sofrimento e essa situação indesejável da qual ele é impotente para escapar. Pintamos cenários ideias para todos os momentos das nossas vidas, vivemos sonhos esplêndidos no amanhã e mendigamos no hoje. O protagonista, por sua vez, movido pelo sentimento de indignação, que não é necessariamente o mais propício para fazermos o bem, toma as rédeas de sua vida de uma forma que nunca tomou antes (e, suponho, nos exigiria uma força heroica minimamente equivalente à dele para fazermos igual): estuda e consegue um diploma em Direito e ajuda inúmeras pessoas dentro da cadeia, mantêm-se íntegro ao que ama e acredita (por mais difícil que seja). Prova sua própria inocência e “se torna uma pessoa melhor”. Alegar que a “melhora” de qualquer indivíduo esteja atrelada ao que lhe ocorre é, em parte, verdade, contudo a virada da chave está na reação desse mesmo indivíduo a essas situações, conforme a série nos mostra. Então apreciar as pequenas coisas nos leva inevitavelmente ao “nous n'avons que le court instant de la vie” (só temos o curto instante da vida), que Teresa de Lisieux nos fala sobre. Entender isso é doloroso e deveria nos mostrar a nossa pequenez, esmagando nosso ego diante da imensidão que é o tempo. Mas eu bem sei o quanto o orgulho pesa nos nossos corações. Quem dera tivéssemos a grandeza de uma semente, que sabe que deve morrer para que possa haver vida. Ou ao menos que soubéssemos o quão pequenos somos. 


C.LEO Érick Giovani Boufleur 

LEO Clube Dois Irmãos 

Distrito LEO LD-2