sexta-feira, 21 de junho de 2019

NOSSA FORMA DE DIVERSIDADE

NOSSA FORMA DE DIVERSIDADE

Nós somos diversos. E diga-me, quem disse que não somos? Você já viu alguém exatamente como você? Com os mesmos traços? Com o mesmo jeito? Com o mesmo sorriso? Mesmos olhos? Mesma boca? Mesmo jeito de andar, e de falar? A resposta para todas estas perguntas, mesmo que eu não conheça você, é simples: não.
Não existe ninguém como você. Porque somos diversos. Existimos e fomos criados sendo diferentes. Cada um com uma característica única, mesmo que as vezes possuamos o mesmo nome, mas como já dizia Shakespeare “Que há num simples nome?”, nada. Você é a definição do seu nome? Muitas vezes sim. Algumas vezes não. Porque, no final, quem faz você se tornar você são suas atitudes, e não um nome qualquer. Contudo, continuamos sendo diversos. Apesar de alguns de nós sermos chamados da mesma maneira.
Somos diversos. E não somente pelo que aparentamos ser. Por que, o que importa a aparência? Na maioria das vezes, não deveria nem mesmo importar. Nós somos o que temos dentro de nós. O que aparentamos ser. E não o que todo mundo enxerga. Somos diversos. E isso vai além do nosso estereotipo. Somos todos diferentes. Temos cor de pele diferentes. Tamanhos diferentes. Pesos diferentes. E tantas outras características. Mas nunca esqueçam que não é por sermos divergentes que somos inferiores ou superiores uns aos outros. Todos nós possuímos os mesmos direitos. E por isso devemos ser tratados iguais. Com o mesmo respeito. Independente do tamanho, do peso, da cor de pele, do jeito de falar, dos gostos de cada um, da aparência ou do gênero. Porque somos diversos. E essa é a beleza das coisas.
Somos todos como super heróis, eu diria. Cada um com um poder e uma armadura diferente. Uns se protegem mais do que os outros, porque não gostam de aparecer, mas nem por isso deixam de ser visíveis, pelo contrário, as vezes são os que mais impressionam (e os mais inteligentes também), mesmo de cantinho, porém tem aqueles que sempre estão prontos pra batalha, que você nem vê usando escudo, martelo, punhos de ferro, ou arco e flecha para se defender, pois estão tão acostumados com aquilo, que já tiram de letra. Geralmente esses são os heróis mais importantes, ou é o que todos apontam ser. Entretanto, todos eles possuem a mesma importância, e não é somente por serem diferentes. É por serem uma equipe. E como todos sabem, em uma equipe a coisa mais importante é a união, pois ela é quem nos fortalece no final das contas. Todos nós somos uma grande equipe. Uma equipe que une as diferenças, e as aceita. Independente de qualquer coisa. Uma equipe chamada LÉO.  As vezes, não conhecemos todo mundo que pertence ao time, mas mesmo assim não devemos deixar nenhum de lado, e sim abraçar todos que se sentirem a vontade de participar deste grupo junto conosco, sabendo, é claro, que cada um de nós é responsável pela postura que a equipe terá perante ás demais pessoas. Pois, quem não gosta de ser elogiado quando se sai bem? Por isso, devemos acolher, cuidar, e principalmente respeitar uns aos outros. Pois você nunca sabe como será o dia de amanhã, e nem se não precisará da ajuda daquele que você riu, ou falou mal pelas costas (lembre-se de pensar duas vezes antes de falar ou fazer qualquer mal ao próximo), nunca faça ao outro aquilo que não gostaria que fizesse com você.
Então, sim, somos todos diversos. E não tem problema nenhum nisso. Pelo contrário, é por isso que nos destacamos, e nunca devemos deixar que alguém tente nos convencer do contrário.
Você é lindo. Você é inteligente. Você consegue. E não há ninguém que possa tirar essa capacidade de você.

Muito obrigada.


Oratória vencedora da XL Conferência do Distrito LEO L D-2
Manoela Dutra Lima Herold - LEO Clube Taquara,
Distrito LEO-LD2

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Diversidade

Diversidade
Uma palavra de verdade
Desrespeitado na realidade
Mas deveria ser prioridade

Se esconde por medo
Lutando contra o preconceito
Tão comum quanto o próprio vento
Que aterroriza o peito
De quem não age como o corriqueiro

Então por isso pequeno
Te peço respeito
Para que não haja mais tanto medo
Açoitando teus companheiros
Que serão de uma vez por todas
Livres para serem si mesmos

Luana Maya
Visitante LEO Clube Lajeado Florestal
AL 2018/2019


P.S.: Essa poesia ficou em 2º lugar na XL Conferência do Distrito LEO LD-2!

Diversidade

Diversidade para mim
É mais uma forma de equidade
Onde
Todos os povos são unidos
Em prol de uma melhor
Sociedade

Diversidade existe
E ta cada vez mais presente
Nesse mundo cheio de gente
Tão diferente
Fica cada vez mais evidente que
devemos nos tornar pessoas
mais conscientes

O respeito pelas diferenças
Se constrói em uma caminhada longa
De resiliência
Onde não importa a aparência,
Mas sim,
O que carregamos em nossa essência

Diversidade
Independente de etnia ou nacionalidade
É viver-se em harmonia
É compreender que
Se trata muito mais do que igualdade
E sim uma luta pela busca de irmandade (sororidade)
Para juntos construirmos uma melhor comunidade!

Diversidade é como se fosse
 mais uma história de super heróis
Onde os heróis somos nós
E o vilão é o preconceito
E dessa forma, com o LEOísmo
Vamos lutando
com muito amor e respeito
Que existe dentro de nosso peito!



CLEO Melany L. Vidal
LEO Clube Nova Hartz
AL 2018/2019


P.S.: O post de hoje é a poesia vencedora da XL Conferência do Distrito LEO LD-2

quinta-feira, 6 de junho de 2019

O LEO é pra vida toda

O LEO é pra vida toda

O LEO nos surpreende de uma forma inacreditável e sim você é privilegiado por fazer parte do movimento e ser um companheiro LEO. Ele nos traz tantas experiências, tanta gente especial e tantas histórias. Cada campanha, cada evento, cada reunião e até os estresses que a gente passa planejando coisas pro nosso clube, vale muito a pena. 
Aprendi que a gente vai levar o LEO pra nossa vida, além desses momentos dentro do LEO, tem os que a gente combina com os amigos companheiros, marcar uma janta com lasanha num final de semana pra jogar papo fora, um aniversário surpresa, um ano novo juntos, tudo isso é especial, porque é gente que tem o mesmo propósito que a gente, ajudar o próximo e aprender, e gente assim a gente leva pra vida.

C.LEO Maria Eduarda Chaves
LEO Clube Taquara

Retrospectiva LEO

Retrospectiva LEO 

Há exatamente um ano atrás existia uma garota um pouco insegura mas com um coração  bom, cheia de energia e com vontade de fazer o bem mas um pouco tímida. Essa garota ainda existe, só que em uma versão 2.0 um pouco mais arrojada e otimista, entusiasmada mas com atitude, aprendendo com os outros, sabendo escutar e entender que sua opinião não é a que sempre está certa. Uma garota que agora vê o mundo diferente, que percebe que são pequenas atitudes que podem mudar nosso mundo e que somos nós, os jovens que tem a capacidade e o poder para fazer isso. Essa garota sou eu uma companheira Leo, com muito orgulho, pois essa nova versão de mim só se tornou possível depois que conheci esse movimento maravilhoso. Obrigada Leo por me tornar uma pessoa  melhor, me proporcionar momentos incríveis  e poder conhecer pessoas  maravilhosas.

C.LEO Katiane santos
LEO Clube Nova Hartz

Retrospectiva LEO

Retrospectiva LEO
 
            Retrospectiva que vem do termo latino “retrospectare” e significa olhar para trás e rever tudo o que aconteceu. Tem a ver com o tempo, e nesses últimos tempos, confesso, o LEO tem sido muito a minha vida. E todo esse tempo me fez perder a conta de quantas foram as vezes que madruguei por causa do LEO, de quantas foram as campanhas, eventos, reuniões e visitas as quais tive a oportunidade de participar, das vezes que sai do conforto de casa para fazer algo maior, algo melhor e além que não fosse pensar apenas no meu próprio umbigo.
            Quantas foram as vezes que me peguei pensando, em meio as dificuldades do outro, qual era o meu papel, enquanto inserida num grupo de trabalho voluntário, senão fazer mais ou pelo menos tentar. Quantas angústias pelo fracasso de não conseguir porque outras eram as prioridades naquele momento que inviabilizaram a ação. Sorte a nossa não estar sozinho e ver a força que nós temos e o trabalho que podemos fazer quando nos unimos. E para isso, eu tenho um clube.
            Outro dia mesmo, fizemos a entrega de produtos de higiene para crianças e adolescentes de um abrigo da cidade. Soa estranho chegar com algo que não fosse chocolate ou brinquedo, mas ver a reação deles com algo tão usual e que não fosse gostoso como um doce, me fez ver além, da importância que temos de adentrar mais na necessidade do outro. E lá, confesso, a necessidade era maior.  Lá a necessidade era de um verdadeiro lar com mais vida, cor na parede, flor no pátio, cor nos brinquedos da praça, roupeiro no quarto, armário na cozinha, teto sem goteira, ginásio com quadra, livro na biblioteca e um sofá para todos.
            A vida lá existia, mas alguém poderia encher de brilho e esperança, um espaço onde o nome propriamente diz, abrigo, e tornar-se um verdadeiro aconchego que acalenta no momento de desamparo.
            Por um momento me dei conta que era exatamente isso que o LEO fazia com a gente que participa. Chegamos com a nossa historia e na caminhada, a nossa construção enquanto individuo, ser humano e cidadão é tão grandiosa, que inevitável é a nossa transformação e o nosso crescimento que o brilho no olhar é luz. 
            Isso só acontece quando a gente se abre para o mundo leoistico que tem o propósito de nos levar a outras direções, outras dimensões de espaço e vida; culturas, realidades com sonhos e desafios. 
            A   Luana de quase 10 anos atrás fez uma cápsula do tempo na escola, e na época jamais imaginou que quase 10 anos seguintes, vivenciaria uma das maiores experiências de vida junto ao LEO. Diz ela que a autonomia, a coragem, a vontade de fazer tanta coisa, vem do LEO e a consequência: esperança, que no dicionário nos diz: “ato de espera, confiança, acreditar que alguma coisa muito desejada vai acontecer” – que a vida simplesmente pode sempre nos surpreender e que o LEO continua sendo a melhor descoberta.
C.LEO Luana Marcolin
LEO Clube Lajeado Florestal - LD2

RETROSPECTIVA LEO

RETROSPECTIVA LEO

Seria impossível de se fazer um texto falando desse AL, que está beirando o fim, sem falar um pouco das campanhas que foram realizadas, dos sorrisos maravilhosos que foram ganhos em cada uma, dos abraços tão cheios de carinho que era praticamente impossível não se sentir confortável entre os braços de uma pessoa desconhecida, das palavras tão gentis que faziam os nossos dias melhorarem do nada e tudo isso foi o que mais valeu a pena, é claro que ocorreram algumas discussões, frustações, desentendimentos entre nós, mas tudo isso foi porque todos queriam o melhor para o clube e, por consequência, o melhor para a nossa sociedade. Então, se me perguntassem o que me marcou até então, sem sombra de dúvidas a minha resposta seria, o empenho, a vontade e o amor que cada um de nós carregou no peito até então, porque atualmente não é fácil querer ajudar o próximo, pois mesmo isso sendo algo tão importante, ainda tem aqueles que nos questionam do “porquê? ”. Do porquê de se acordar cedo para fazer um pedágio solidário em prol dos animais, do porquê de se fazer campanhas para recolher alimentos ou roupas para doação ou do porquê jovens como nós “perdem” finais de semanas ou feriados para visitar lares de idosos ou infantis, e em todas as vezes que alguém me perguntou algo assim ou a qualquer LEO, creio que a resposta foi a mesma: “Eu amo isso, é todas essas coisas que fazem eu me sentir cada vez melhor”. O AL 18/19, infelizmente está se acabando e sem dúvidas irá deixar saudades, mas é com toda certeza de que outro ainda melhor e mais produtivos está começando que nos despedimos desse.

Leoisticamente,
C.LEO Igor Gomes Lemes,
AL 2018/2019.

“O poder da transformação”

“O poder da transformação” 

Eu acredito que se cada pessoa, independente do cargo que ocupa, ou do papel que desenvolve na sociedade, tivesse clareza de tudo o que já realizou durante a sua vida, certamente acordaria orgulhosa de si mesma todos os trezentos e sessenta e cinco dias do ano, sem abrir exceção. É assim pelo menos, que eu vejo cada um dos meus companheiros do Leo Clube, e me inspiro a cada dia, a cada nova reunião ou campanha, a continuar traçando esse caminho cheio de novas histórias, realizações, e boas ações. Diferente de pelo menos maioria, comecei a minha trajetória há menos de um ano, e me sinto honrado em fazer parte da história que já construímos juntos, boa parte destas tão importantes para mim que jamais precisariam estar registradas em alguma ata para presumir o tamanho do seu significado. É tão único o sentimento quando percebemos que nós estamos sendo ferramentas para transformamos o presente, e desenvolvermos o futuro. É, talvez tu tenhas se dado conta de tudo isso assim como eu, no exato momento em que escrevo tudo isso. Logo nos meus primeiros meses ainda como visitante, tive a oportunidade de participar de um dos momentos mais importantes para mim, falar sobre diversidade, não tão somente da minha, mas também de todas as outras possíveis pluralidades existentes, aquele sarau nos enriqueceu, e nos mostrou novos horizontes. A bolha que antes pudesse existir estourou-se, cada qual se sentiu livre e capaz de falar inclusive sobre as suas fraquezas, o muro que existia entre a falta de informação assim resultando na não aceitação de tantas coisas, se desfez, transbordamos ao máximo o mar do conhecimento, resultando assim ainda mais no aquecimento do voluntariado. Acredito que é só quando somos capazes de olharmos o outro, e sermos capazes de nos enxergarmos nele, que desempenhamos o papel que carregamos da forma mais sincera e verdadeira, é libertador deixar as correntes para trás, e também perceber que por mais que sua ação seja pequena, ela muda o agora, e transcende inclusive o presente. Que possamos continuar escrevendo este livro, e que em momento algum nos envergonhamos dele, carregando assim conosco todo o aprendizado, todas as histórias possíveis, e todas as oportunidades que os novos capítulos irão nos proporcionar.

C.LEO Wesley Luz
LEO Clube Igrejinha

Retrospectiva LEO

Retrospectiva LEO 

Antes de fazer a minha retrospectiva no LEO, tenho que falar com o eu entrei. Fui convidado a entra para o LEO clube num role que eu fui convidado pelo meu amigo que era ex-namorado da presidente, onde todos estavam levemente embriagado dentro do carro, já estava terminando o role quando do nada a presidente faz o convite para mim entra no LEO clube, eu não estava no meu juízo perfeito acabei aceitando o convite e não me arrependo de ter aceitado naquele dia. Agora eu posso começar a fazer a minha retrospectiva. (kkkk) Para mim foi muito bom no início, teve várias campanhas, ajudando bastante gente, logo em seguida veio o meu primeiro evento, também meu primeiro LEOpiadas, aonde fez com que eu me apaixonasse mais pelo leoismo, também conheci várias pessoas novas, trocamos historias, fizemos fasta juntos, nós animamos. Daí veio a primeira desanimação no clube aonde eu pensei em sair, mas pensei que não seria justo com os meus companheiros e fiquei, entrou pessoas novas e me animei de novo, mais não durou muito tempo, veio a segunda desanimação, me animou de novo quando fui para o acampaLEO, onde fez renovar a minha vontade de dar mais vida para o clubinho. Agora estou mais animado, me preparando para ir para a confe e defender o meu clubinho para receber o próximo acampa, desenvolver mais campanhas, fazer eventos para arrecadar dinheiro para o clubinho e fazer com que eles seja mais conhecido e respeitado pela comunidade do meu município.

C.LEO ALEXANDRE FIORIM WEIS DE LIMA
Vice-Presidente do LEO Clube Salto do Jacuí Distrito
LD-2

Retrospectiva LEO

Retrospectiva LEO 

O resumo do AL em uma palavra seria CRESCIMENTO. Quando penso em retrospectiva logo me vem à cabeça a nostalgia, aquela sensação de querer voltar à trás com tudo que tenho de conhecimento no agora e com isso resolver tudo que não consegui anteriormente. Mas ao mesmo tempo percebo que apesar de nem tudo sair como planejado muita coisa deu sim certo. Outras ainda aconteceram por causa dos erros e falhas. Se penso em mim no começo do AL penso em alguém que queria mudar o mundo, cheia de ideias. Hoje sou alguém que quer ser a mudança no mundo, ser cheia de realizações. Aprendi que ideias são importantes, mas torná-las verdades é ainda mais. Ter ideias e opiniões é natural, mas ouvir e acima de tudo respeitar as alheias é vital. Compreendi que brigar por algo nem sempre é a melhor forma de obtenção. Finalmente entendi que TUDO BEM errar as vezes, ter dias ruins, não ser perfeito, ser eu mesma. Aprendi que o tempo é precioso e ele é tudo que a gente tem. Claro que o LEO não foi responsável por despertar tudo em mim, mas foi ele que lá, no ultimo evento, na ultima ação, na ultima reunião, encontro, campanha, no ultimo AL, OU MELHOR, NA PRIMEIRA VEZ QUE EU DISSE SIM AO VOLUNTARIADO, foi ele que me estendeu a mão, e com esse estender de mão eu resolvi estender a minha e me joguei de cara, e essa foi a melhor decisão que eu pude tomar. Não foi a mudança do resto da minha vida, foi o primeiro dia do resto da minha vida.

C.LEO Kátia Klock Anton
LEO Clube Dois Irmãos
AL 2018/2019

Os ciclos e os aprendizados

Os ciclos e os aprendizados
 
   A vida é feita de ciclos por vários motivos e o principal deles é a renovação. O réveillon é o momento em que fazemos retrospectivas do ano que vai e metas para o ano que vem, o aniversário é o momento de agradecer por mais um ano de vida e desejar mais muitos anos a viver. No LEO dividimos esses ciclos em Anos Leoísticos, que iniciam em primeiro de julho e finalizam em trinta de junho, segundo me ensinaram na minha primeira reunião.  A cada AL mudam as pessoas em cada cargo, trocam os lemas, as cores e as diretorias, pra que pessoas diferentes tenham novas oportunidades e aprendizados que quem deixa o cargo já aprendeu. O meu primeiro cargo, a uns bons anos atrás, foi ser secretária do meu clube porque alguém me viu tímida e atenta às reuniões e acreditou que eu tinha potencial. Depois outras pessoas me delegaram outros cargos, e também tive minha vez de escolher pessoas para cargos que vi potencial para ocuparem.  Neste AL trabalhei em uma assistência distrital e tive a honra de mais uma vez acompanhar de perto a dedicação de um Gabinete por um Distrito. Depois de tantos ALs dentro do LEO achei que alguns cargos seriam repetitivos, mas o tempo me mostrou que não. Os cargos e suas funções de fato seguem inalterados, mas mudam as pessoas, e elas transformam os espaços que ocupam, elas contagiam as pessoas que as acompanham, elas trazem a sua energia para aquele posto de trabalho e para aquele grupo.   Cada equipe em que estive ao longo desses anos me marcou por algo diferente. Trabalhar com o gabinete deste AL me ensinou a ousar, a seguir a intuição, e a fazer o melhor possível dentro das possibilidades que tenho. Entendi que o melhor que consegui fazer pode não ser igual ao que planejei, e que não há problema nisso. Ser LEO é receber oportunidades e se permitir experimentar. O aprendizado vem da experiência, sendo ela o previsto ou o imprevisto.  E a experiência me mostrou que sempre haverá algo a se fazer, a se descobrir dentro do movimento LEO. O que esse AL me ensinou, é que cabe a cada um de nós ocupar o papel de agente de mudança, de transformação. Cada AL é construído em conjunto, na soma de esforços de cada visitante, associado, dirigente.  Depende de nós o presente e a construção do futuro desse movimento que é nosso, e é de quem faz!

C.LEO Margrid Geli Oliveira Vendruscolo
LEO Clube Igrejinha
18.05.2019

Retrospectiva LEO

Retrospectiva LEO

"Invocando a Deus pela grandeza da Pátria, e a paz universal entre todos os povos, declaro aberta esta assembleia  ordinária  geral do LEO Clube"... Quem diria que um dia seria eu dizendo essas palavras, e que o período em que eu falaria elas passaria tão rápido. Na cerimônia de troca de diretoria alguém me disse que a gente só aprende a ser presidente, quando não é mais, na ocasião aquilo não fez muito sentido mas hoje, estando aqui no finalzinho desse AL, compreendo totalmente  o que a pessoa me falou. Quando entrei no LEO não tinha noção de cargos, da hierarquia, das funções de cada membro, mas isso como qualquer um fui aprendendo ao poucos. Me tornei vicesecretária e fui fazendo pequenas tarefas da secretaria para começar a adaptação, ajudando no relatório, passando livro de presença...então de repente sou a secretária. MDS! Quantas atas gigantescas preciso fazer, e como assim nós  precisamos de ofício  pra tudo??? Não dá só pra conversar, não? Socorro! …Tá tudo bem, to aprendendo a fazer direitinho agora gente, e os relatórios estão todos em dia, mas agora sou vice-presidente? Preciso estar na comissão de cada campanha, fazer as reuniões que o presidente não pode e estar presente em cada RCD que ele não está. Certo, to pegando o jeito. Moleza! AGORA EU QUE BATO O SINO?? O QUE TÁ ACONTECENDO??? Eu não sei o que a gente começa fazendo. Qual o meu cronograma para o AL? Lema e camiseta? Alôooo, alguém me ajuda! Quem vai me dizer o que preciso fazer agora?  Ah! Eu que tenho que puxar a frente então? Sendo assim tudo bem! Quero campanhas incríveis. Vamos lá gente! Isso vai ser lindo, agora eu estou no controle e a cidade vai descobrir o que é LEO! Ei, perai… Isso não significa que eu preciso fazer tudo sozinha, vamos lá! Sejam proativos, eu não preciso falar tudo. Vocês também tem capacidade pra fazer muita coisa sem eu precisar instruir. Sejam criativos! Opinem, sugiram, discordem e vamos ver de que forma fica melhor… Assim mesmo! Com vocês ajudando tudo fica muito melhor!

O que? Acabou?

Mas agora que a coisa estava dando certo!

Tudo bem…

"E agora peço que de pé saudemos o pavilhão nacional e com uma calourosa salva de palmas encerramos essa reunião".

Minha última badalada…

Que feedback posso fazer agora?
Eram tantos planos, tantas campanhas, tanta coisa que não deu tempo de fazer… Bem, posso sugerir todos eles ainda!

O que importa agora é tudo que conseguimos fazer.  Claro, nem tudo foi nós, muitas coisas precisei correr atrás sozinha para conseguir, e não foi moleza não… A pressão psicológica de que eu preciso fazer que tudo dê certo é a que me deixou muitas noites em claro, ou com uma crise de ansiedade insuportável. Mas no momento em que aprendemos a delegar funções, e podemos contar com outras pessoas tudo se torna mais fácil. A parte difícil mesmo é confiar que ela vai fazer tudo direitinho, mas calma! Todos precisam aprender, nem que seja com seus próprios erros.

E olhando agora vejo o quanto aprendemos! Eu estou aprendendo a confiar, da mesma forma que muitos estão aprendendo que as coisas não ficam prontas sozinhas… precisamos correr atrás delas, e não precisa ser sempre a mesma pessoa. Todos nós conseguimos fazer coisas maravilhosas! Juntos fizemos tantas campanhas novas, abordamos tantos assuntos legais, nos aproximamos, evoluimos, nos dedicamos, viramos até Heróis! E agora eu só consigo pensar em como tudo isso foi sensacional. Se as coisas não tivessem sido exatamente como foram eu não teria aprendido tanto. Não estaria chorando agora escrevendo isso, e também não sentiria de forma tão intensa como é incrível fazer parte desse movimento.

Cada nova responsabilidade vai nos atribuindo um pouquinho de conhecimento, cada novo cargo vai aumentando nossa bagagem, e cada novo desafio nos faz quebrar uma barreira e perceber como temos capacidade de ir muito além.

Hoje, posso dizer que sou o que sou por todos esses desafios que me foram dados e por todas as vezes que eu acreditei que podia fazer melhor, e continuo acreditando nisso. Da mesma forma que acredito no potencial de cada um, e que só precisamos de uma dose extra de boa vontade para conseguir ir longe!

Leoisticamente,
C.LEO Laura Eduarda Fassbinder
LEO Clube Igrejinha.

O QUE É LEO?


O QUE É LEO?

Já perdi as contas de quantas vezes falei do LEO e alguém me perguntou “tá, mas o que é isso? o que vocês fazem nisso?” E confesso que foi difícil responder. Pra mim, LEO vai muito além de liderança, experiência e oportunidade, além de voluntariado. LEO é fazer uma criança sorrir; é ajudar uma senhorinha a atravessar a rua; acordar cedo num sábado pra participar de campanha; é reencontrar amigos de outros clubes; é pintar a cara; é bagunça; é cantar aquele hino que a gente nem lembrava de ter aprendido; LEO é amor; é carinho, abrigo. É entrega e sacrifício, de sair mais cedo do almoço de domingo em família pra ir fazer campanha e ajudar alguém. Fazer parte de um movimento desses é um presente gigantesco que ganhamos e nos faz gostar cada vez mais do que fazemos a cada campanha realizada. É difícil explicar o que é o LEO pq ele acaba fazendo parte do que nós somos, e alguém consegue falar direito de si? Nunca sabemos falar sobre nós, mas quem nos vê de fora é capaz de compreender. Mais fácil que explicar o que somos é convidar a pessoa pra fazer parte disso, deixar ela ver e sentir por ela mesma o que o LEO é capaz de fazer pelos outros e, acima disso, o que faz por nós. Com sorte, o bichinho LEO pica ela também e ela não consegue mais se afastar desse sentimento maravilhoso que é fazer parte de um clube que tem como objetivo ajudar o próximo sem esperar nada em troca. E esse sentimento, essa alegria de ajudar o próximo que o LEO proporciona, ah, isso é o maior dos presentes que a gente ganha dele.



CLEO Rafaela Knak

LEO Clube Sapiranga Ferrabraz

AL 2018/2019

Mudança de pensamento

Mudança de pensamento 

“SUS irá oferecer cirurgias de troca de sexo.”
‘Meu Deus, com tantos problemas de saúde, o SUS vai gastar com isso?’
“Cotas para negros em concursos públicos.”
‘Mas já não basta cotas em universidades? Isso sim que é segregação, é atestar
que eles não são capazes.’
“Veja como está a transformação de Thammy Miranda.”
‘‘Nossa, era tão linda, pra que ela faz essas coisas?’’
“Professora encontra bebê recém-nascido em lixeira perto de escola.”
‘Vagabunda! Na hora de dar não reclamou. Não se preveniu porque não quis.
Tantas formas de prevenir uma gravidez. Tanta gente que quer um filho e não
consegue.’

Notícias reais, que li ou ouvi ao longo dos anos. Reações tão reais quanto.
Elas aconteceram há 12, 10, talvez 4 anos atrás. Não sei.
Me envergonham? Com certeza.
Mas ao mesmo tempo, sinto orgulho.
Orgulho em saber que em algum momento após cada uma dessas notícias, e de tantas outras, eu não me fechei, não me tranquei na minha bolha particular.
Eu aceitei ler a respeito, ouvir a opinião das pessoas e também seus relatos pessoais. Passei a tentar compreendê-las. Entendê-las.
Como uma vez disse um professor meu “a gente não deve aceitar tudo, mas deve
entender.”
Não aceitar que uma criança seja jogada fora, mas entender que tiveram muitos
acontecimentos na vida dessa mãe, para que ela chegasse nesse ponto. Talvez ela
nunca tenha querido ser mãe. Tenha sido abandonada e estivesse sozinha. Tenha
surtado. Tivesse qualquer problema psicológico. Eu não sei, a maioria das pessoas que aponta o dedo pra julgar, também não sabe. Mas o julgamento acontece.

Hoje, continuo achando a atitude errada, mas consigo entender que alguma coisa
aconteceu. E que essa mãe certamente precisava de uma ajuda que não teve.
Um dia eu entendi que as pessoas não trocam de gênero apenas por um capricho. Elas o fazem porque sofrem sendo algo que não são.
Eu não sei qual é esse sentimento, mas sei que ele existe. Não cabe a mim ou a
ninguém achar errado, não natural, ou tantas outras coisas que se ouve. Disforia de
gênero é algo cientificamente comprovado, e não vai ser o Joãozinho que está no
Ensino Médio, ou a Mariazinha que faz faculdade de administração que vai poder
contestar isso.
A nós, não especialistas no assunto, não nos cabe achar absolutamente nada, apenas respeitar.
Outro dia, também entendi que racismo inverso não existe, que aquela ofensa que um dia ouvi, era apenas uma pessoa babaca sendo babaca. Que eu nunca vou perder uma oportunidade ou ser falsamente acusada de algum crime, apenas pela cor que tenho, dentre tantas outras coisas.
Todos nascemos desprovidos de preconceitos, porém, isso vai mudando conforme a gente cresce, conforme as pessoas que fazem parte da nossa vida. Minhas mudanças ocorreram porque entendi que não sou dona da razão. Porque algumas pessoas, que eram muito importantes para mim, saíram da minha vida, e tantas outras entraram.
Somos fruto das interações que temos com o mundo. E eu espero que meu mundo
esteja sempre em constante movimento, pra que eu sempre mude.

Maiara Borges dos Santos
LEO Clube Lajeado Florestal
Distrito LEO LD-2
AL 2018/2019

Mudança

Mudança 

Eu tento encarar as mudanças como algo bom, mas sabe, é difícil. Eu posso dizer que eu gosto da rotina, das coisas serem sempre as mesma e serem sempre organizadas.
A gente se acomoda, acaba não fazendo mais algo diferente porque se tá bom assim, pra que mudar?
Juro que tento as vezes não pensar assim, porque se pararmos para pensar o que seria de nós, mulheres se a Bertha Lutz (grande pioneira do movimento feminista no Brasil) pensasse assim?
Se tá bom assim, eu possuindo um marido, uma casa, uma família por que vou querer ter direito ao voto e igualdade?
Sorte a nossa que ela não pensou assim...
Eu poderia citar tantos outros exemplos, mas o que realmente quero falar é que as mudanças as vezes não são boas, mas a falta delas ainda é pior.
A vida tem um infinito de caminhos a seguir e você é livre para ir. Foi assim que tudo começou comigo, eu não tinha medo da mudança, eu tinha era vergonha, timidez dela, e essa mudança era o LEO Clube entrando na minha vida.
Eu entrei sabendo que tinha alguém do meu lado, que eu não estava sozinha para entrar, mas no meio desse caminho esse alguém não estaria mais ali, eu me vi tendo que encarar tudo sozinha. Foi aí que tomei a melhor escolha da minha vida, encarar tudo e traçar minha história no LEO, sozinha. Eu sobrevivi! E me vejo outra pessoa, e tudo que vivo no movimento jamais viveria sem ele. A mudança pode ser dolorida na hora da plantação mas na colheita ela te trás sentimentos bons, diferentes e únicos. Por isso, não tenha medo de encará-la, você sempre será maior que seus problemas.

C.LEO Sabrina Henke Cabral
LEO Clube Igrejinha

Mudanças são necessárias

Mudanças são necessárias 

Mudanças. É uma palavra que de fato nunca gostei, mas conforme fui crescendo a vida me forçava a passar por elas, nem todas foram agradáveis e fáceis, mas aprendi a lidar com elas e a gostar do diferente. Eu sei, às vezes acontecem mudanças que são extremamente boas e causam um impacto bom nas nossas vidas, já outras são complexas e difíceis de lidar.
Mas aprendi uma coisa com mudanças, as pessoas que você ama e sentem esse amor de forma recíproca, com toda certeza, vão permanecer na sua vida, talvez mais afastadas e distantes, mas vão estar sempre lá. Então, aproveita! O mundo é todo seu, ele está te esperando para se aventurar em mudanças inesperadas e cada uma delas vai te fortalecer e moldar quem você é. 

C.LEO Maria Eduarda Chaves,
LEO Clube Taquara.


MUDANÇAS QUE NOS TRAZ O LEO CLUBE

MUDANÇAS QUE NOS TRAZ O LEO CLUBE. 

Há vários tipos de mudanças, que podem ocorrer durante à vida: uma delas e o
ingresso no LEO clube, onde você vai encontrar pessoas: legais, divertidas,
chatas (kkkk), comprometidas com o bem estar de outras pessoas. As
principais coisas que você vai encontra dentro do LEO é uma união leal,
agradável, honestidade dos seus companheiros e um comprometimento mutuo
entre todos.
Para mim a mudança que o LEO trouxe não foi só um grupo de jovens
querendo mudar o mundo, mais sim uma segunda família, onde nós podemos
brigar, se xingar, mais tudo passa, e a amizade sempre prevalece. Por onde eu
for sempre levarei os meus companheiros no coração e na minha alma.
Esta foi a melhor mudança que poderia ter ocorrido na minha vida, além de
poder ajudar o próximo, também ganhei mais uma família.

C.LEO Alexandre Fiorim Weis De Lima
LEO Clube Salto Do Jacuí

segunda-feira, 4 de março de 2019

Respeito


Já dizia um velho ditado: ‘‘Respeite para ser respeitado’’. De fato, precisamos

respeitar, mas jamais respeitar apenas quando somos respeitados, afinal, somos

corpos compostos de muita energia e tudo que transmitimos, retorna com peso

dobrado para nós. Transmita paz, amor e respeite, isso irá retornar com mais força

que foi. Respeite seu companheiro (a), amigo, animal, mesmo que não seja de

estimação, o idoso na fila do supermercado, seus pais ao dizerem não, o casal gay

que você acaba de ver se beijando, o negro que por sua vez esta lutando para

conquistar seu espaço na sociedade, a mulher que esta em um padrão de vida

melhor que o seu ou que sabe mais que você. Respeite.

TUDO COMEÇA COM RESPEITO.



C.LEO Macsoel Morandi Giehl
LEO Clube Dois Irmãos

Respeito


Luto todo dia por um mundo melhor, mas não só para mim, e sim para todos, sonho com uma humanidade livre onde as pessoas possam viver como querem do jeitinho que gostam, felizes, amando e sendo amadas. Quero um mundo onde ninguém perca seu jeito de ser e sua verdade, que o amor de uns não provoque o ódio em outros. Eu desejo respeito, e para isso entendo que preciso também respeitar. O respeito, ah! o respeito... É tão discutido hoje em dia, uma pena ser pouco praticado.

Liberdade, orientação sexual, time de futebol, escolhas políticas, religião... Quero liberdade de árbitro, para sermos quem somos.

Respeito não é concordar, respeito não é incentivar, respeito não é aceitar, respeito é só respeito! Um valor essencial para alguém.

“Sem respeito ao próximo não existirá respeito mútuo e sem respeito mútuo, teremos uma sociedade intolerante, agressiva e estagnada.”



C.LEO Sabrina Henke Cabral

vice-presidente e secretária

LEO Igrejinha


Respeito e escolhas



O respeito é um dos valores mais importantes do ser humano, ou pelo

menos deveria ser.

Respeitar não é concordar com algo ou alguém, é só saber que são

questões de escolha, se essa escolha não está machucando você e nem

ninguém, porque seria errado? Só porque não é a mesma que a sua?

Ser diferente não deveria ser errado, afinal todos nós somos!

No LEO Clube respeitamos todas as diferenças, seja religião, sexualidade,

etnia, entre outras. Não só as diferenças, mas também os animas, a

natureza em si, pois não adianta ser companheiro, sem saber que uma das

bases do companheirismo é o respeito.



C.LEO Emily Dettenborn Schmidt

LEO Clube Nova Hartz

Respeito


Na sua origem em latim, a palavra respeito significava ‘‘olhar outra vez’’. Assim, algo

que merece um segundo olhar é algo digno de respeito.

Porém, respeito é algo muito mais complexo, mas também é uma simples e essencial

ação para a paz e convivência entre todos nós.

E para que um melhor exemplo de comunidade de respeito do que o LEO Clube?

No LEO, aprendemos sobre ética, moral, valorização e muitas outras coisas essenciais

para a nossa participação no clube, mas nada é tão importante quanto o respeito.

Não teria fundamento fazer algo voluntariamente a alguém se não tiver respeito por

aquela pessoa ou por aquela ação. Se um dia isso acontecer, tenhamos certeza de que

quem o fez, fez somente por status!



Porque quem realmente ganha com o voluntariado não é aquele que recebe nossa

ajuda, mas sim nós! E não ganhamos por status, mas sim por Liderança, Experiência e

Oportunidade de aprender tantos fundamentos como o Respeito!



O Respeito implantado em todo o mundo, assim como no movimento LEO, nos traria

muito mais esperança de mudanças e melhorias para um futuro próximo em nossa

humanidade, assim como o LEO traz à vida de cada companheiro dedicado ao

voluntariado.

C.LEO Stefany de Bairros

LEO Clube Sapiranga Ferrabraz

Distrito LEO LD-2

Respeito


Muito se discuti sobre diversidade e respeito as diferenças, onde muitas das

vezes se fala sobre os mesmos com simples discursos vazios e ineficientes. Sendo

que em pleno século XXI, ainda estamos vivenciando uma enormidade de

preconceitos, racismos, discriminações; quanto a raça, cor, orientação sexual,

religião e etc.

Lutamos por um mundo onde todos nós podemos ser quem queremos ser,

onde podemos amar quem queremos amar e fazer tudo aquilo que queremos fazer,

sem medo do que poderá acontecer, sem medo de não agradar uma pessoa que vive

perto de você. Geralmente quando começamos a viver muito em torno do que um

indivíduo gostaria que fossemos, estamos muito mais preocupados com o que o outro

pensa sobre nós, do que necessariamente nós mesmos acabamos não sendo o que

queremos ser.

Eu mesmo, durante muito tempo fiquei preocupado com o que os outros

pensavam ao meu respeito. Mas hoje, muito pouco me importo com o que outros

acham ou pensam a meu respeito (a não ser as pessoas que sei que me amam),

pois a minha vida não depende do que os outros acham de mim, mas sim do que eu

mesmo sei ao meu respeito e a minha vida.



C.LEO Henrique Paris

LEO Clube Sapiranga Ferrabraz

 

Por baixa da cor da pele corre o mesmo sangue



O racismo vem se destacando muito na sociedade brasileira desde a

escravidão. É muito comum ver nos noticiários, reportagens de

pessoas negras que sofrem violência oral e física, apenas por ter uma

cor de pele diferente. Pra quem não sabe, desde à minha infância eu

sofro essa violência, já sofri violência física e oral. Sim, física. Já apanhei

por ser negra, por ter nariz, cabelo de negra. E o que isso tudo isso tem

a ver com o LEO Clube? Então, foi no LEO que eu pude mostrar para

algumas pessoas que todos nós somos iguais, independente da cor da

pele, do gênero, da opção sexual, nós somos iguais, e que eu não deveria

sair na rua com aquele medo de apanhar, assim como, apanhei na

escola por colegas. Nós temos que entender que somos todos iguais ,e

devemos respeitar sempre o próximo. O LEO nos proporciona tantas

coisas boas, conhecer lugares, pessoas novas. Portanto, aproveitem o

LEO Clube ao máximo, ele te deixa livre para aprender e entender

coisas, se você quiser e pode te levar longe. Faça pessoas felizes com

muito RESPEITO e se tornasse melhor com o LEO Clube.



C.LEO Ritiélle Cidade,

LEO Clube Parobé


Respeito


Uma palavra pequena que vem do latim “respectus”, que significa “olhar outra

vez”, então tudo aquilo que merece um outro ponto de vista é merecedor do

nosso respeito. Ele é o princípio básico da convivência na nossa sociedade,

então quando o ser humano não respeita as diferenças de cada um, ele deixa

de ser o ser mais evoluído para virar um qualquer, pois é o respeito que nos

torna melhor que qualquer outro, é saber conviver com as diferenças e acima

de tudo aceita-las, pois todos nós as temos, não importa se é a cor da pele, o

sexo, gostos alimentareis, gênero, enfim todos somos diferentes por algum

motivo ou razão e é isso que transforma a humanidade em uma raça quase

perfeita, pois a intolerância é o grande pivô de diversas discussões, brigas e

até mesmo guerras que ocorrem no cenário mundial. Então ame mais o

próximo e respeite as diferenças deles como se fosse as suas.



Leoisticamente,

C.LEO Igor Gomes Lemes,

AL 2018/2019.

Respeito


O respeito é a base para qualquer relação seja em um namoro, na amizade, no trabalho e até

mesmo na família, o essencial é que ele esteja sempre presente em nosso dia a dia, para saber

aonde nossa liberdade acaba e começa a do outro.

Podemos muito bem conviver com pessoas diferentes se soubermos respeita-las, respeitar é se

colocar no lugar do outro é ter empatia e tratar as pessoas exatamente como gostaria de ser

tratado, um simples ‘’bom dia’’, ‘’tudo bem’’ ,’’ posso ajudar’’, pode mudar o dia de alguém.

Só porque as pessoas percorrem um caminho diferente do seu ou não tem a mesma opinião não

significa que esteja errado e que você não possa conviver, amar e principalmente respeitar.

Se tem algo na vida que eu realmente acredito, é que toda forma de amor é bonita, feio mesmo é

deixar a vida passar sem ao menos ter experimentado o amor, tem quem nos julgue, tem quem nos

ame, é tão simples amar.

Já tem tanta gente no mundo gastando suas vidas odiando e espalhando a maldade, só de você estar

escutando isso já quer dizer que você é diferente, seja amor, pratique amor e se não puder ser amor

seja pelo menos respeito!



CLEO Katiane Santos

LEO clube Nova Hartz

AL 2018/2019

Respeito


Felicidade, amor, carinho, respeito, são sentimentos que estão em completa sintonia. 

Vivemos em um momento onde falta empatia, esquecemos que do outro lado existe alguém que é diferente de nós, que tem outro modo de enfrentar a vida...

Não sei o que é sentir na pele esses preconceitos que existem, mas condeno toda a forma de desrespeito.

Menos desafeto e mais AFETO.

Menos peito e mais RESPEITO.

Mais abraço, carinho, amor ao próximo, atenção, palavras positivas.

Seja diferente, só assim você terá chance de ser o melhor. Aprenda o que puder, depois compartilhe, não leve só para você o que você pode dividir.



LEOISTICAMENTE

ISAC ROCHA

PRESIDENTE AL 18/19

LEO LAJEADO FLORESTAL

Somos o fruto das nossas relações



Como dizia aquele versinho que tanto escrevíamos nos cadernos de recordações de anos atrás, “As pessoas que passam pela nossa vida, nunca nos deixam sós. Sempre deixam um pouquinho de si, e levam um pouquinho de nós”, e ao pensar nisso fica uma baita reflexão: quem são as pessoas que estão entrando na nossa vida, e o que elas estão deixando? E talvez mais importante que isso: o que nós estamos dando para que os outros levem da gente?

Mas nossa caminhada é longa, ela começa no dia em que nascemos, e segue. Dia após dia. E todo tipo de gente vai chegando, entrando, ficando e saindo. E a gente sempre absorve um pouco do que o outro é. Seja bom. Seja ruim.

Somos o fruto das nossas relações, e ao viver e conviver com pessoas que não sabem respeitar, seja o planeta, animais ou outro ser humano, elas podem nos afetar também. Podem fazer a gente crescer achando que aquilo que é diferente da gente é errado, e por isso, não é preciso respeitar. Podem fazer a gente ver algo novo, e por medo, talvez, julgar.

Mas o maravilhoso da vida é a evolução. É saber que não precisamos ser sempre a mesma pessoa, com os mesmos pensamentos, mesmas crenças e atitudes. Que a gente tem o poder de manter no nosso círculo apenas as pessoas que agregam, acrescentam, fazem bem. Que a gente pode deixar para trás tudo e todos que fazem sofrer. Nós e os outros. Que a gente pode ser melhor. Que a gente pode MUDAR.

É nosso dever querer ser melhor, e trabalhar para que isso aconteça. Não é fácil, pois crescemos rodeados de preconceitos que são normalizados pela sociedade e internalizados por nós. Mas é possível. E sabe o que ajuda muito a conseguir realizar essa mudança? Conhecer aquilo que nos é estranho, que não faz parte da nossa vida, e da vida das pessoas que fazem parte das nossas redes. Ler sobre. Ouvir as pessoas. Ter empatia. E entender que o outro não é menos que ninguém, e muito menos, menos que a gente, apenas por ser diferente.

E eu vejo a possibilidade de conhecer o diferente através do LEO Clube. São muitas pessoas que conhecemos, cada uma do seu jeito, com suas preferências, amores, cores e sabores, mas todas participando de um movimento pelo mesmo objetivo: fazer sua parte para tornar o mundo um lugar melhor.

E quando a gente se cerca de pessoas que nos fazem evoluir, sermos melhores, a gente tem a chance de mandar com o outro, algo bom que é da gente. E se tivermos sorte, a gente consegue marcar essas pessoas de uma maneira que elas deixarão para os outros, o que de melhor elas têm, também.

C.LEO Maiara Borges dos Santos

LEO Clube Lajeado Florestal

AL 2018/2019

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Ao meu clube, com amor

Um dia, quando eu era uma adolescente boba e confusa, a pessoa que eu mais amava me deu um presente.
Me falou de um grupo, de uma consciência e de uma visão de mundo diferentes.
Na semana seguinte conheci 14 novas pessoas, e na outra semana, em meio às crianças de um orfanato, descobri que agora seríamos 15.

Nas minhas crises de identidade, nas brigas familiares, nos amores perdidos eu tinha um lugar pra me encontrar, no bem que me oportunizaram fazer por pessoas com mil problemas a mais que eu.
Nesse lugar não encontrei barreiras, encontrei caminhos e oportunidades. Aprendi a amar ao invés de julgar. Aprendi a importância das diferenças e do respeito a elas. Aprendi a ser aprendiz de mil coisas que ainda não sei.
Aqui vivi ‘um ano pra recordar’, encontrei o amor da minha vida, conheci tantos lugares e tantas pessoas que me marcaram pra sempre.
Quando minha família foi embora da cidade, no meu Clube encontrei um motivo pra ficar... fala sério?! EU NÃO SABERIA VIVER SEM VOCÊS!

O LEO Clube Igrejinha não é só um Clube pra mim. São os meus AMIGOS, os meus EXEMPLOS, a minha FAMÍLIA. É o lugar onde posso ser eu mesma, com todos os defeitos e problemas.
Porque nós todos somos super diferentes, e nos amamos e entendemos justamente por cada um ser como é.

C.LEO Margrid Vendruscolo
LEO Igrejinha
(Escrita em 2011 e retirada do baú em 2019.)

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Quebra-cabeças


Sou uma daquelas pessoas que falam do LEO para todo mundo, explicando a origem do movimento, os protocolos, as ações e campanhas que realizamos, os eventos e viagens que participamos. Explicar sobre o que é o LEO clube parece ser muito fácil quando falamos de toda a estrutura em torno do movimento, mas quando se trata de dizer o que o LEO significa especificamente para cada um de nós, a coisa fica um pouco mais complicada. Talvez por serem tantas histórias envolvidas, talvez por mexer com nossos sentimentos mais profundos, talvez por acender uma chama que não estava lá antes do movimento, talvez por trazer lembranças que nos marcaram intensamente.
Sendo a Experiência um dos pilares do LEO, ao adentramos no movimento passamos a viver momentos que antes não sonhávamos fazer parte de nossa realidade. E cada um desses momentos nos marcam de um jeito diferente que é difícil escolher somente um para se falar. Até porque só um momento isolado, não condiz com a maravilha que é fazer parte do LEO.
A primeira ação é sempre inesquecível, e se você não tem muito conhecimento do que é o LEO, aah... essa primeira ação vai realmente ser mais inesquecível ainda. Porque por mais do que te expliquem o que é, quais os projetos e campanhas, ver as coisas que um LEO clube faz, não tem palavras para expressar. E ver em sua primeira ação um “bando” de jovens sair de casa no frio, para levar alegria para os idosos, é a melhor maneira de entender o que é ser LEO. Sei que ver a energia de todos cantando, jogando cartas e contando piadas, me fez ver que o pouquinho do carinho que damos a quem precisa, gera um amor imenso neles, e o desejo de querer o próximo encontro de ambos os lados.
 E o melhor não é só uma tarde passada em companhia de alguns idosos, é um laço de amizade que se cria. A gente acaba os conhecendo pelo nome, conhecendo suas histórias de vida, contando um pouquinho da nossa, que não é nada se comparada aos longos anos que eles viveram. A gente acaba conhecendo os gostos deles, se eles curtem mais jogar cartas e dominó, ou se eles gostam de cantar conosco, ou ainda de só observar de longe, mas com os olhinhos brilhando de nos ver ali.  A amizade cultivada, faz com também sintamos a dor da perda, ao saber que algum deles se foram ficamos abalados, e tentamos lembrar de algum momento que passamos com ele. Ai vem a lembrança de jogar dominó com a dona Maria, que estava sempre com seu chalé, mesmo no calor, e que ganhava de mim em todas as partidas; ou lembrar do grande Seu Batista, que deixava os companheiros no chinelo quando o assunto era cantar, principalmente aqueles modão antigo; a simplicidade dele ao cantar deixava a todos nós hipnotizados, ninguém falava, ninguém queria atrapalhar aqueles momentos.
Talvez uma das experiências mais incríveis vividas dentro do LEO, são as visitas ao lar, tanto no lar de idosos quanto no das crianças. No dos idosos a gente aprende com eles,  das crianças nós as ensinamos. Acabamos sendo um modelo para elas, seja no que gostamos de fazer, seja no nosso agir, seja na nossa aparência física. De algum modo afetamos a vida delas mais do que pensamos, e elas nos mostram que não devemos perder a alegria de criança. Alegria de se divertir com brincadeiras simples, alegria de ajuda-las a escolher uma roupa para a festa junina, de vibrar com elas ao achar um ovo de pascoa debaixo da cama, de pular na cama elástica e se divertir tanto quanto elas, e de ouvir o pedido “tia quando vocês voltam?” ou então “estava com saudades, porque demoraram tanto?”. Acabamos criando tantos laços com elas, que muitas vezes ficamos divididos em sentimentos, ao chegar para mais uma visita, e descobrir que elas foram adotadas. O coração fica apertadinho, não vamos mais ver aquele rostinho ali, mas o coração também dá pulos de alegria, por saber que aquela criança está em casa, com uma família e sendo amada.
E assim vamos guardando cada uma dessas pessoas dentro de nosso coração, elas fazem parte do que nos tornamos. Fazer parte do LEO é descobrir que somos como um quebra-cabeças, cada experiência, cada ação, cada pessoa que conhecemos vai ser uma pecinha que vamos encaixando pouco a pouco, dando forma e sentido ao que somos.

C.LEO Diane
LEO Clube Campo Grande
Presidente do Distrito LEO L B-1
AL 2018/2019